quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Quarta-feira, dia 21 de Fevereiro de 2018

Quarta-feira da 1ª semana da Quaresma

S. Pedro Damião, bispo, Doutor da Igreja, +1072

Comentário do dia
São Jerónimo : Jonas, figura de Cristo

Jonas 3,1-10.

A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas nos seguintes termos:
«Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive e apregoa nela a mensagem que Eu te direi».
Jonas levantou-se e foi a Nínive, conforme a palavra do Senhor. Nínive era uma grande cidade aos olhos de Deus; levava três dias a atravessar.
Jonas entrou na cidade e caminhou durante um dia, apregoando: «Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída».
Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus, proclamaram um jejum e revestiram-se de saco, desde o maior ao mais pequeno.
Logo que a notícia chegou ao rei de Nínive, ele ergueu-se do trono e tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza.
Depois foi proclamado em Nínive um decreto do rei e dos seus ministros, que dizia: «Os homens e os animais, os bois e as ovelhas, não provem alimento, não pastem nem bebam água.
Os homens e os animais revistam-se de saco e clamem a Deus com vigor; afaste-se cada um do seu mau caminho e das violências que tenha praticado.
Quem sabe? Talvez Deus reconsidere e desista, acalmando o ardor da sua ira, de modo que não pereçamos».
Quando Deus viu as suas obras e como se convertiam do seu mau caminho, desistiu do castigo com que os ameaçara e não o executou.


Salmos 51(50),3-4.12-13.18-19.

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade, pela vossa grande misericórdia, apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade e purificai-me de todas as faltas.
Criai em mim, ó Deus, um coração puro e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.

Não é do sacrifício que Vos agradais
e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.
Sacrifício agradável a Deus é um espírito arrependido: não desprezeis, Senhor, um espírito humilhado e contrito.




Lucas 11,29-32.

Naquele tempo, aglomerava-se uma grande multidão à volta de Jesus e Ele começou a dizer: «Esta geração é uma geração perversa: pede um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal de Jonas.
Assim como Jonas foi um sinal para os habitantes de Nínive, assim o será também o Filho do homem para esta geração.
No juízo final, a rainha do sul levantar-se-á com os homens desta geração e há de condená-los, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão; e aqui está quem é maior do que Salomão.
No juízo final, os homens de Nínive levantar-se-ão com esta geração e hão de condená-la, porque fizeram penitência ao ouvir a pregação de Jonas; e aqui está quem é maior do que Jonas».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

São Jerónimo (347-420), presbítero, tradutor da Bíblia, doutor da Igreja
Sobre Jonas II, 2, 5, 6, 11

Jonas, figura de Cristo

Se Jonas é figura do Senhor, por evocar, por meio da sua estadia de três dias e três noites nas entranhas do cetáceo, a Paixão do Salvador, a sua oração também deve ser uma expressão da oração do Senhor.

«Fui rejeitado diante dos teus olhos. Mas verei ainda o teu santo templo» (Jn 2,5). Quando estava contigo, gozando da tua luz, não dizia: «Fui rejeitado». Mas, quando me encontrei no fundo do mar, envolvido na carne de um homem, assumi sentimentos de homem e disse: «Fui rejeitado diante dos teus olhos». Disse-o enquanto homem; e o que vem a seguir disse-o como Deus, Eu que, sendo da tua condição, não Me vali da minha igualdade contigo (cf Fil 1,6), porque queria elevar a Ti o género humano: «Mas verei ainda o teu santo templo». Assim, diz o texto do evangelho: «Pai, manifesta a minha glória junto de Ti, aquela glória que Eu tinha junto de Ti antes de o mundo existir» (Jo 17,5); e o Pai responde: «Já a manifestei e voltarei a manifestá-la!» (Jo 12,28). O único e mesmo Senhor pede enquanto homem, promete enquanto Deus e está seguro da glória que foi sempre sua.

«As águas me cercaram até ao pes­coço, o abismo envolveu-me» (Jn 2,6). Que o inferno não Me aprisione! Que não Me recuse a saída! Desci livremente, que livremente Me eleve. Voluntariamente vim como cativo para libertar os cativos, a fim de que se cumpra este verísculo: «Tu subiste às alturas e levaste contigo prisioneiros» (Sl 68,19; Ef 4,8). Com efeito, Ele conquistou para a vida aqueles que eram cativos da morte.

«Então, o Senhor ordenou ao pei­­­xe e este vomitou Jonas em terra firme» (Jn 2,11). Foi ordenado a este cetáceo, aos abismos e aos infernos, que restituíssem o Salvador a terra; assim, Aquele que tinha morrido para libertar os que estavam presos nos laços da morte pode levar uma multidão consigo para a vida.







terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Santos Pastorinhos de Fátima

Por distração do responsável pela versão portuguesa de Evangelho Quotidiano, na indicação dos Santos do Dia de hoje, os videntes de Fátima surgem como Beato Francisco e Beata jacinta quando, como é sabido, eles foram canonizados em maio passado, por ocasião do centenário das aparições. Do facto, pedimos desculpa aos nossos leitores.

Que eles intercedam por nós e nos ensinem o caminho da simplicidade, da adoração e da compaixão pelos que soifrem.

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Terça-feira, dia 20 de Fevereiro de 2018

Terça-feira da 1ª semana da Quaresma

Beato Francisco Marto, vidente de Fátima, +1919, Beata Jacinta Marto, vidente de Fátima, +1920, Santo Eleutério, bispo, mártir, +532

Comentário do dia
São Boaventura : Invocar o nome do Pai

Is. 55,10-11.

Eis o que diz o Senhor: «Assim como a chuva e a neve que descem do céu não voltam para lá sem terem regado a terra, sem a terem fecundado e feito produzir, para que dê a semente ao semeador e o pão para comer,
assim a palavra que sai da minha boca não volta sem ter produzido o seu efeito, sem ter cumprido a minha vontade, sem ter realizado a sua missão».


Salmos 34(33),4-5.6-7.16-17.18-19.

Enaltecei comigo o Senhor
e exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele atendeu-me,
libertou-me de toda a ansiedade.

Voltai-vos para Ele e ficareis radiantes,
o vosso rosto não se cobrirá de vergonha.
Este pobre clamou e o Senhor o ouviu,
salvou-o de todas as angústias.

Os olhos do Senhor estão voltados para os justos
e os ouvidos atentos aos seus rogos.
A face do Senhor volta-se contra os que fazem o mal,
para apagar da terra a sua memória.

Os justos clamaram e o Senhor os ouviu,
livrou-os de todas as angústias.
O Senhor está perto dos que têm o coração atribulado
e salva os de ânimo abatido.




Mateus 6,7-15.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando orardes, não digais muitas palavras, como os pagãos, porque pensam que serão atendidos por falarem muito.
Não sejais como eles, porque o vosso Pai bem sabe do que precisais, antes de vós Lho pedirdes.
Orai assim: 'Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome;
venha a nós o vosso reino; seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje;
perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido;
e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal'.
Porque se perdoardes aos homens as suas faltas, também o vosso Pai celeste vos perdoará.
Mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

São Boaventura (1221-1274), franciscano, doutor da Igreja
Comentário ao Evangelho de Lucas, cap. 7

Invocar o nome do Pai

Jesus disse aos seus apóstolos: «Orai assim: "Pai"». Ou seja, começai por invocar o Pai; e fazei-o não apenas com a voz, mas com o coração, não vá Ele dizer-vos como em Isaías: «Este povo aproxima-se de Mim só com palavras e honra-Me só com os lábios, pois o seu coração está longe de Mim» (29,13). Não digais apenas com o coração, mas também com a boca, porque a oração vocal é recebida por Deus, como diz o salmo: «Agradecerei bem alto ao Senhor e louvá-lo-ei no meio da multidão» (108,30). Porque esta oração permite despertar a memória, excitar a sonolência, inflamar o desejo, dispor para a obediência, exprimir alegria e dar o exemplo.

Invoquemos, pois, o nome do Pai. Com efeito, Ele é Pai em razão da condição da sua natureza, como diz a Carta aos Efésios: «do qual recebe o nome toda a família, nos Céus e na Terra» (3,15). Daí que afirme também em Malaquias: «Por­ven­tura, não temos todos nós um único Pai?» (2,10) Ele é Pai, ainda, por dar a graça, como se diz na Carta aos Romanos: «Recebestes um Espírito que faz de vós filhos adoptivos. É por Ele que clamamos: "Abbá, ó Pai!"» (8,15); e na Carta aos Gálatas: «porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: "Abbá! Pai!"» (4,6). E é igualmente Pai em razão da realização da sua glória, como afirma Jeremias: «Chamar-Me-ás "meu Pai", e não te afastarás de Mim» (3,19).

Assim pois, uma vez que, no nome do Pai, Deus é visto como fundador da natureza, dador da graça e produtor da glória, por isso mesmo é-nos dado compreender que Ele é o único a quem devemos rezar.

Mateus e Lucas concordam na invocação do nome de Pai, a fim de que, neste nome, o homem seja conduzido à reverência e à confiança, as duas asas sem as quais a oração não tem eficácia.







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org